Sem histeria

segunda-feira, 28 de junho de 2010

E vamos lá então. Mais um dia chegando cedo no trabalho para poder estar de volta à casa mais cedo, a fim de, é claro, assistir ao jogo do Brasil.

Devo estar ficando velho e rabugento mas o fato é que não fui mordido pelo bichinho da histeria da Copa desta vez. Não grito "GOOOOOOOOLLLL" quando um conterrâneo de camisa amarela coloca a redonda pra dentro, apenas registro o fato. Não fico desesperado criticando o Dunga e sua cavalice. Não acho que o futuro do país depende do resultado dos jogos.

É capaz de em 2014 eu não querer nem assistir aos jogos.

Top 10 músicas do Los Hermanos

sábado, 26 de junho de 2010

Para remover um pouco as teias de aranha desse espaço vou colocar abaixo a minha lista completamente arbitrária e com critérios subjetivos das 10 melhores canções do (dos? de? da?) Los Hermanos. O universo de escolha são os 4 álbuns de estúdio da banda, e a lista está em ordem alfabética, não existindo hierarquia entre as músicas citadas. Vamos lá:

Além do que se Vê

"E a banda diz: - assim é que se faz".

Cara Estranho

"Olha ali quem tá pedindo aprovação". A inadequação do ser humano à vida e ao mundo que o envolve. Maravilhosamente ilustrado pelo videoclipe.

Condicional

"Existe alguém pra me libertar".

Conversa de Botas Batidas

"Esse é só o começo do fim da nossa vida".

De Onde Vem a Calma

"O mundo todo é hostil". Um ritmo completamente diferente de "Cara Estranho" e ainda assim o tema parece ser o mesmo. O vídeo abaixo, montagem feita por um usuário do YouTube, ficou muito legal.

A Flor

"Tua flor me deu alguém pra amar". Um rapaz manda flores para uma garota. Por alguma razão ela pensa que foi outro cara que mandou e se apaixona por ele. Provavelmente a que eu mais gosto entre as 10 deste post.

Pierrot

"O Pierrot apaixonado chora pelo amor da coooooooooooooooolombina".

Quem Sabe

A canção conquista no momento em que a música aceleradíssima para e o Amarante se esgoela para perguntar "Quem sabe o que é ter e perder alguém???". Eu sei.

Todo Carnaval Tem Seu Fim

"Toda folha elege um alguém que mora logo ao lado". Foi assistindo o clipe abaixo várias vezes na MTV que passei a prestar atenção na banda.

O Vento

"Como pode alguém sonhar o que é impossível saber?". Maravilhosa música espírita.

"Just like almost every other story someone's gonna die in the end"

domingo, 20 de junho de 2010

Como disse um cara nos comentários lá no YouTube, não consigo pensar em uma maneira melhor de passar 7 minutos e 40 segundos do que assistindo a este vídeo:

Trata-se de Carolina Drama, letra FODAÇA do Jack White e música não menos FODAÇA dos Raconteurs.


Minhas estrelas

Muito tempo sem um post de fotos, não é? Sei que vocês curtem, então aí vão duas, estrelando meus filhos e esposa:

Dêem uma passada lá no meu Flickr para verem mais fotos.


Saramago

sábado, 19 de junho de 2010

vários anos atrás li "Todos os Nomes" do Saramago. E foi tudo que li dele, apesar de ter outros 4 livros nas prateleiras da Biblioteca Mulatinho ("O Ano da Morte de Ricardo Reis", "História do Cerco de Lisboa", "O Homem Duplicado", "As Intermitências da Morte"). Apesar de ter lido tão pouco de sua obra tenho que lamentar sua morte, que deixa um vácuo difícil de preencher na língua portuguesa. Não apenas por causa de seu prêmio Nobel (o único de um escritor do nosso idioma), mas por causa de suas posturas políticas, sua lealdade a seus pontos de vista.

Pelo pouco que conheço da obra do Saramago (do livro que li, e de folhear outros), parece-me que o texto dele pode ser considerado difícil, por sua estrutura de longos parágrafos e poucos diálogos, o que exige atenção total do leitor - não dá pra ler um livro dele distraidamente, ou você se concentra ou é melhor nem começar. Mas se você vencer essa barreira, a recompensa será supimpa.


Estante Virtual e Biblioteca Mulatinho

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Se você curte comprar livros (e, é claro, lê-los), eis uma dica preciosa: a Estante Virtual, um aglomerado de sebos centralizados em um só lugar, vendendo livros usados (e novos também) a preços que nenhuma loja virtual ou de tijolos é capaz de bater.

Agora vamos às novidades aqui da Biblioteca Mulatinho, adquiridos, como você já deve ter percebido, através da Estante Virtual. São eles:

- Império, do Gore Vidal. Sempre ouço falar dos livros históricos desse cara, mas nunca lí nenhum. Chegou a hora.

- O Turista Acidental, de Anne Tyler. Há muitos e muitos anos atrás vi o filme de mesmo nome e confesso que não me lembro de nada a respeito dele. Interessei-me pelo livro através da sinopse enquanto procurava barganhas no site.

- Pela Bandeira do Paraíso, de Jan Krakauer, mesmo autor de No Ar Rarefeito, que indiquei no post anterior. Encontrei-o por R$10 enquanto procurava pelos outros livros desse cara. Parece ser excelente.

Enquanto isso, minha leitura do momento é Perversão na Cidade do Jazz, de James Lee Burke, da Coleção Negra da Record. Já havia lido outro livro dele há uns 2 anos atrás e não fiquei muito impressionado, mas estou dando outra chance a ele. E até o momento (página 80) tem sido legal.

No Ar Rarefeito

terça-feira, 1 de junho de 2010

Depois de algumas semanas entupindo-me de livros de gerenciamento de tempo e organização pessoal (que, como já percebi em outras ocasiões, no meu caso só são eficientes enquanto os estou lendo, no momento em que termino de lê-los - ou abandono-os - volto à minha vidinha de bagunceiro), eis que uma jóia me reacendeu o amor pela literatura. No Ar Rarefeito, de Jon Krakauer, narra a escalada do Everest pelo autor, junto com um grupo de exploradores. Desde o começo já ficamnos sabendo que uma tragédia que levará a vida de vários deles está perto, e ficamos sabendo pois essa se trata de uma história real, mas em nenhum momento isso tira o prazer da leitura. Vocês sabem, o importante é a jornada, os meios justificam os fins.

O livro é escrito num ritmo calmo, pausado, cadenciado, digamos que combina com o ritmo da escalada, onde o ar mais e mais rarefeito torna cada passo uma batalha contra si mesmo. Cada capítulo incia-se com um trecho de algum outro livro sobre a escalada da montanha, deixando o leitor ainda mais situado. O autor é jornalista, portanto sabe contar uma história, e essa até o momento tem sido uma deliciosa história.

Abaixo seguem algumas fotos do Everest, que retirei do Flickr: