Algumas linhas

domingo, 15 de março de 2009

Logo abaixo, em algumas poucas linhas está um esboço de uma historinha que comecei a escrever algum tempo atrás. O problema é que ela não avançou. Não tenho a menor idéia de como este personagem vai conseguir cobrar o que julga que o mundo lhe deve. Tenho até uma idéia para um final bacana (que terá algo a ver com os acontecimentos posteriores na carreira do Fernando Alonso), mas, repito, nenhuma idéia de como chegar até ele.

29 de julho de 1981. Nascíamos, em continentes diferentes, Fernando Alonso e eu.

25 de setembro de 2005. Fernando Alonso conquistava seu segundo título mundial consecutivo de Fórmula-1. Nesse mesmo dia eu fazia a prova de um concurso público para a qual havia estudado durante meses. Minha colocação: 731º.

Por que o espanhol Fernando Alonso conseguiu atingir o auge e eu, sempre tido como talentoso e com um futuro brilhante pela frente hoje não passo de um medíocre burocrata do INSS?

Bem, isso vai mudar. Neste exato momento tenho um revólver em minhas mãos enluvadas. Com ele pretendo acertar as dívidas que o mundo contraiu comigo.

Comments

5 Responses to “Algumas linhas”
Post a Comment | Postar comentários (Atom)

Borges disse...

Boa premissa. Mas você está muito seco, direto ao ponto. Literatura é floreios e descrição, você sabe.

23:18
Demofilo Fidani disse...

Floreios e descrição?! Tsc, tsc! Isso depende; isso já era! Vá ler Balzac, amigo...!

18:46

De onde veio esse nome?

22:20
Demofilo Fidani disse...

Gostou? Ha ha... É de grande sonoridade, hã! É pseudônimo de um diretor de spaghetti westwerns... He he he!

10:53
Borges disse...

Obrigado, amigo troll.

08:08