Os filmes e seus títulos em português

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Você, que gosta de cinema, já deve ter se perguntado sobre o porquê de várias vezes acontecer do título do filme no Brasil ser tão diferente do título original. Bem, a reportagem abaixo (de Rodrigo Fonseca, do Globo) tenta dar uma luzinha sobre esse assunto.

Seu nome é ´Solace´. ´Quantum of solace´
Por imposição de produtores, título do novo 007 não terá tradução no Brasil, o que gera polêmica entre fãs

Depois de viver aventuras de nomes estilosos como “O espião que me amava”, “Nunca mais outra vez” e “Os diamantes são eternos”, James Bond volta às telas hoje à frente de um longa-metragem cujo título fará muito brasileiro quebrar a cabeça e a língua: “007 — Quantum of solace”. A expressão, pinçada de um conto de Ian Lancaster Fleming (1908-1964), o criador do herói, significa “zona de conforto”. Mas os produtores da franquia vetaram possíveis traduções e impuseram aos distribuidores internacionais o mesmo rótulo com que o filme, dirigido pelo alemão Marc Forster, será lançado em territórios de língua inglesa, como o Reino Unido.

Nos EUA, “Octopussy” mexeu com conservadores

Só na Inglaterra, a produção, estrelada por Daniel Craig, faturou US$ 25,3 milhões em três dias. — Minha posição pessoal é sempre optar pela tradução literal nos títulos ou, pelo menos, buscar algo próximo ou bem próximo. Mas, neste caso, a produtora tinha, por contrato, a autoridade de exigir que o título no mundo inteiro fosse o mesmo do original, em inglês — diz Rodrigo Saturnino Braga, diretorgeral da Columbia Tristar Buena Vista Filmes do Brasil, que distribuirá o filme no país, com cerca de 400 cópias. — Só conheço o caso de dois países que conseguiram, legalmente, escapar disso: a Venezuela e o México. Mesmo assim, neles, o filme será lançado como “007 — Quantum”, o que não muda muito a situação. Os fãs da série protestam: — Manter o título assim é um desrespeito com o espectador que não fala inglês. É um nome que não passa a idéia do que o filme é — reclama o advogado Pierre Gaudioso, espectador assíduo dos filmes de Bond.

— Deveria haver um subtítulo em português para o filme, ainda que fiel ao original, por mais esdrúxulo que ele seja — diz o estudante de engenharia Pachoal Demarque, fã de 007. Saturnino Braga já lidou com títulos complicados antes: — Lembro-me de um filme com Bruce Willis, “Hudson Hawk”. Na dúvida se seria interessante lançá-lo com esse título, sugeri um subtítulo, “O falcão está à solta”. Com o tempo, o subtítulo ficou mais popular do que o nome do filme. O mesmo caso aconteceu com “O galinho Chicken Little”. Na tradução do inglês, “Chicken Little” já sugeriria “galinho”, mas a Disney achou que esse título era o nome do personagem. Consegui dar um jeitinho brasileiro e encaixar essa palavra, que colou.

Lembro que as pessoas diziam: “Vou ver o filme do galinho”.

No Brasil, são comuns casos de séries, desenhos e filmes que recebem títulos durante o processo de dublagem.

— Normalmente, damos três sugestões de título para cada filme para que os representantes de marketing das distribuidoras escolham. Com “Quantum of solace”, isso nem chegou a acontecer — diz o dublador Manolo Rey, que traduziu as falas do filme de 007 para sua versão brasileira, que será ouvida, na telona, em 150 cópias.

Departamentos de publicidade interferem no modo como um filme vai se chamar no Brasil, como diz o designer e diretor de criação Fernando Pimenta: — Nos anos 1980, sugeri que “Down by law”, do Jim Jarmusch, fosse lançado aqui aportuguesado como “Daunbailó”. Fiz o mesmo com “Tenue de soirée” (de Bertrand Blier), cujo título virou “Meu marido de batom” por sugestão minha.

Para o distribuidor do novo 007, apesar da estranheza que o nome “Quantum of solace” gera, ela não deve abalar seu apelo.

“Cassino Royale”, o filme anterior do agente secreto de Sua Majestade, vendeu 1.737.860 ingressos no Brasil, faturando R$ 14,4 milhões. Nos EUA, ele arrecadou US$ 167 milhões.

— Um título que não explica o que é um filme sempre traz problemas. Mas, no caso de “007”, o esforço de propaganda é muito grande. Além do que, este é um caso em que o nome da franquia atrai o público — diz Saturnino Braga.

Já os bondmaníacos crêem que a imposição da Columbia de batizar o novo 007 como “Quantum of solace” soa caricata.

— Os títulos dos longas de James Bond nunca deram polêmica no Brasil. Já nos EUA, a única exceção foi “Octopussy”, em função do sufixo “pussy”, que, em inglês, refere-se ao órgão genital feminino — lembra o professor de português Antônio Manuel Lopes Amaral, colecionador de arquivos sobre cinema.

— Há muitos casos de filmes estrangeiros lançados no Brasil sem título em português, como “Platoon”, “Twister”, “Toy story”, “Apocalypse now” e “L.A. Story”. Para cinéfilos, isso soa preguiçoso. Federico Fellini teve, por exemplo, vários longas que chegaram ao circuito brasileiro sem tradução, como “E la nave va” e “I clowns”. E ninguém chama “Taxi driver”, de Martin Scorsese, de “Motorista de táxi”, embora este tenha sido seu subtítulo.

"Capitão Tornado”, viagem do fracasso ao sucesso

Segundo Lopes Amaral, alguns títulos brasileiros conquistaram elogios dos distribuidores internacionais e até de diretores consagrados: — Nos anos 1980, Stanley Kubrick mandou um fax para a Warner brasileira elogiando o título em português de “Full metal jacket”, aqui chamado de “Nascido para matar”. O título original significava “cápsula de bala”. O nome brasileiro é mais charmoso.

Além de charme, um bom título em português pode dar sorte a um filme, como aconteceu com “A viagem do capitão Tornado” (1990), de Ettore Scola.

Fiasco mundial de bilheteria, o longa, originalmente, chama-se “Il viaggio di Capitan Fracassa” .

“Fracassa”, em italiano, significa barulho, algazarra, mas o termo poderia ser mal entendido pelas platéias brasileiras.

— Trocamos “Fracassa” por “Tornado” que evocava a idéia de barulho. Na ocasião, o ator José Lewgoy e outras personalidades reagiram a essa mudança na imprensa, dizendo ser um absurdo a troca de título — lembra o distribuidor Bruno Wainer, que lançou o filme. — Essa reação deu mais visibilidade para o longa, que atraiu 150 mil espectadores.

Comments

No response to “Os filmes e seus títulos em português”
Post a Comment | Postar comentários (Atom)