domingo, 6 de março de 2005

Trégua e Corrupção

Que coisa insana o nazismo e sua solução final. O tema chega até mim através das leituras do conto Aluno Inteligente (contido no livro Quatro Estações, de Stephen King) e, principalmente, do livro A trégua, de Primo Levi. Este segundo mostra Levi, sobrevivente de Auschwitz, após sua libertação pelo exército russo e os caminhos - muitas vezes inacreditáveis - que sua volta para a terra natal toma, lutando muitas vezes contra a bizarra burocracia dos vencedores da guerra. Já o primeiro, talvez o distinto leitor conheça via cinema com o filme O aprendiz, do diretor Bryan Singer (o mesmo dos dois X-Men); fala sobre um garoto que descobre que um insuspeito vizinho foi um dos comandantes do nazismo, responsável direto pela morte de milhares de pessoas. Só que ao invés de denunciá-lo, o garoto passa a chantageá-lo para que conte todos os pormenores das atrocidades cometidas por aquele regime, especialmente no tocante a campos de concentração, corrompendo sua mente e tornando-o agente do mal que a princípio queria apenas conhecer.

Vejo tanta coisa horrível acontecendo mundo afora e ainda assim não consigo crer que existiu algo tão descerebrado e ainda assim tão organizado, incorporado à burocracia de um regime de governo.