segunda-feira, 20 de dezembro de 2004

Ultimamente tenho questionado minha vida. É uma coisa que deveria fazer sempre, mas em cima da qual acabo passando, dados os atropelos do dia-a-dia (quem foi que disse que "a vida é o que acontece enquanto você está muito ocupado fazendo planos"? John Lennon?). Não é que eu esteja sendo infeliz, muito pelo contrário: cada dia ao lado daquela estupenda mulher é um deleite e ainda tem meu filho, que chegará a qualquer momento; apenas tenho dúvidas quanto a minha filosofia de vida. Quero dizer, eu não produzo nada, apenas consumo o que outros produziram.

Sou vítima de uma quantidade enorme de vícios absurdamente improdutivos. Por exemplo, até algumas horas atrás eu estava com a cabeça voltada completamente para o monitor do computador ligado num jogo totalmente idiota chamado Football Manager 2005, em que o jogador, no caso eu, é o treinador de um time de futebol, comprando jogadores, vendendo jogadores, jogando contra os outros times, e por aí vai, numa seqüência infinita. Pois é, gastei semanas sem fazer nada, apenas trabalhando e jogando este troço. Um pouco depois da meia-noite de hoje, apaguei o jogo. Vida que segue.

Vou voltar a ler. Ler muito. Absorver coisas boas, inspiradoras. Mesmo que,eventualmente, não venham das leituras, mas, por exemplo, da televisão. Minha filosofia de vida tem que ser viver, e não deixar que outros vivam por mim.