terça-feira, 11 de março de 2003

Filme deste fim-de-semana: Marcas de um Suicídio:

Parado. Como a vida.

Este é um filme sobre suicídio. Não sobre o ato em si mas sobre as sombras que um cometido no passado deixou na vida de três pessoas, e sobre outro que, insuspeitamente, caminha pra acontecer.

Íris (Laura Linney) é a costureira de uma loja para noivas informalmente especializada em adolescentes grávidas (é bacana vê-la tentar, infrutiferamente abandonar esta vida). Sua dominadora mãe (Gena Rowlands) é a dona da loja e Lonnie, seu filho, é o legado deixado por seu marido Ronnie, que se matou. Trata-se de um filme bem parado, com pouca coisa acontecendo, exatamente como a vida miserável levada por Íris. Sua mãe não a deixa em paz, seu filho é passivo e faz tudo o que a avó deseja e a lembrança de seu marido não lhe sai da mente.

Temos aqui uma discussão bacana sobre o tema suicídio: em certo momento, Ronnie comenta com sua avó o fato de que se todos têm medo da morte e seu pai se matou, não é justo chamá-lo de covarde. Faz sentido. Diga-me quantos filmes sobre este tema você conhece?

Trata-se de um filme pequeno (inclusive na duração), levado quase que exclusivamente na base das atuações de sua dupla de protagonistas. Merece ser visto porque o cinema de hoje é muito baseado em temas grandiosos e megalômanos. É bom ver alguém tentando pensar neste meio.

(originalmente publicado no ivox)