terça-feira, 21 de maio de 2002

O dia-a-dia no hospital continua o mesmo. Pacientes chegando para consultas, alguns felizes, outros tristes, outros tensos, outros de-ses-pe-ra-dos. Chegam também aquelas pessoas que não tem consulta marcada mas exigem ser atendidas (as quais, sadicamente, expulsamos com palavras de baixo-calão e acabam virando as piadas do dia).

Acho que já disse isso, mas vale o replay: apesar de trabalhar em um hospital, não paro de rir um único minuto ao longo de todo o meu expediente (6:30 às 12:30). Paradoxo.