quinta-feira, 25 de abril de 2002

Que belo filme o Uma mente brilhante. A história do matemático esquizofrênico John Nash, que ganhou o Nobel por uma teoria que desenvolvera décadas antes da premiação é interessantíssima. E a história não é contada de maneira clichê, tentando arrancar lágrimas dos espectadores. É contada toda do ponto de vista do prórpio Nash, o que inviabiliza cenas de gente sentada reunida chorando por causa de seu problema. É apenas ele, ali, sofrendo mas segindo em frente. [Se você não viu o filme ainda, não leia este pedaço] Outra coisa interessante é que ele não vence a esquizofrenia nem as ilusões que ela provoca, simplesmente aprende a conviver com elas, sem que se tornem um grande fardo. O normal seria uma vitória triunfal de um grande gênio. Mas aqui temos apensa alguém problemático que aprendeu a seguir em frente.